terça-feira, 13 de outubro de 2015

Educação e economia : Relação com o desenvolvimento de um país

O Pisa - Programa Internacional de Avaliação de Alunos – é uma avaliação

internacional que mede o nível educacional de jovens de 15 anos, por meio de

provas de Leitura, Matemática e Ciências.

O exame é realizado a cada três anos pela OCDE (Organização para

Cooperação e Desenvolvimento Econômico), entidade formada por governos

de 30 países que têm como princípios a democracia e a economia de mercado.

Países não membros da OCDE também podem participar do Pisa, como é o

caso do Brasil.

O objetivo principal do Pisa é produzir indicadores que contribuam, dentro e

fora dos países participantes, para a discussão da qualidade da educação

básica e que possam subsidiar políticas nacionais de melhoria da educação.

O Pisa é a ponte que liga a educação à economia do conhecimento.

A característica mais importante do Pisa é a de que a avaliação afere

habilidades consideradas essenciais para o sucesso do jovem na escola, no

mercado de trabalho e na vida da economia do século 21.

Estudos realizados com alunos que fizeram o primeiro teste do Pisa, em 2003,

comprovam a sua validade preditiva quanto ao desempenho acadêmico e

profissional dos jovens nas economias globalizadas. O Brasil participa do Pisa

desde a primeira rodada.

Através dessa avaliação chega-se a índices por país, relacionando seus

resultados com o quanto esses jovens estarão preparados (a partir dos 16

anos) para as exigências e complexidades do mercado de trabalho e como

atuarão enquanto cidadãos críticos e conscientes.

O Brasil participa do Pisa por meio do INEP, responsável pela aplicação das

provas em todo o País. Essa participação tem o intuito de situar o desempenho

dos alunos brasileiros no contexto da realidade educacional internacional, além

de possibilitar o acompanhamento das discussões sobre as áreas de

conhecimento avaliadas pelo Pisa em fóruns internacionais de especialistas. A

participação nesse processo de avaliação internacional leva, ainda, à

apropriação de conhecimentos e metodologias na área de avaliação

educacional. O Inep dissemina informações – resultados, conceitos e

metodologias – geradas pelo Pisa aos diversos autores do sistema educacional

brasileiro.

Participaram do Pisa 57 países. Além dos membros da OCDE, foram

convidados 27 países.

E o que isso tem a ver com a economia de um país?

Já é sabido que quanto mais um país investe em educação, mais ele tende a

ter uma população desenvolvida, consciente e participativa, tendo ciência de

seus direitos e deveres enquanto cidadãos. E indo além, as Ciências

Econômicas existem a partir do objetivo de se equilibrar o uso eficaz dos

recursos naturais e monetários com o crescimento econômico, e para tanto,

precisamos que as novas gerações estejam devidamente informadas,

conscientes e tendo acesso aos recursos necessários, não só para subsistir,

mas para ter base para se desenvolver, e para poder vir a fazer a diferença na

sociedade.

A organização vê um grande potencial de crescimento econômico no país se

este proporcionar educação básica universal para todos os adolescentes de 15

anos.


A OCDE estima que um cenário em que todos os adolescentes de 15 anos

estejam estudando e alcançando um nível básico de educação pode ser um

dos indicadores a  ajudar o PIB do país a crescer, nas próximas décadas.


Nenhum comentário:

Postar um comentário