terça-feira, 22 de março de 2011

AMAZÔNIA,
AME A AMAZÔNIA.
AMAZÔNIA,
AME A AMAZÔNIA.
AMAZÔNIA,
AMEAAMAZÔNIA.
AMAZÔNIA,
AMEAMAZÔNIA.
AMAZÔNIAMEAMAZÔNIA.
AME!

segunda-feira, 14 de março de 2011

E a laranja virou suco.A simplicidade deu lugar à praticidade. E o resultado: Ode ao passado e temerancia quanto ao futuro.
No presente fazemos do limão uma limonada a cada dia.Temos de ter um quê de alquimista pra sobreviver ao mundo "globalizado", ao trabalho capitalista que consome mais de 70% de nossas vidas.
Mas é isso aí,há de se viver (melhor do que morrer!)Há de se dizer que é como a resposta das crianças naquela música: "É a vida,e é bonita,é bonita,e é bonita!"

domingo, 13 de março de 2011

Condolências ao povo Japonês

É a maior crise vivida pelo povo da região,desde a segunda Guerra Mundial.Houve explosão de reatores de uma usina radioativa,expondo o povo a riscos sem precedentes,algumas pessoas já apresentando sinais de contaminação.
Há ameaças de ataque nuclear,algo que pode ser terrível a todos.Tudo isso causado por grandiosos tsunamis,ocorridos nos últimos dias,devido a terremotos de alta escala.

Mas o que significa essa demonstração devastadora da natureza?

É o Planeta pedindo "help" ao homem,que consequentemente pede "help" ao Planeta.

Tanto desenvolvimento tecnológico,poluição fora de medidas...Um dia, tudo se volta contra nós.

Mas que o povo Japonês consiga superar as perdas,que não ocorra mais desastres,que consigam se reerguer,e que o econômico não venha à frente do humano,que é quem sofre com a ganancia capitalista.

Pessoal de todo o mundo,unamos-nos para ajudar esse povo!
que Deus seja por eles e por nós!
Amém!

sexta-feira, 11 de março de 2011

Homenagem ao dia internacional da Mulher

Quando nasci um anjo esbelto,
desses que tocam trombetas,anunciou:
vai carregar bandeira.
Cargo muito pesado pra mulher,
esta espécie ainda envergonhada.

Aceito os subterfúgios que me cabem,
sem precisar mentir.
Não sou feia que não possa casar,
acho o Rio de Janeiro uma beleza e
ora sim,ora não,creio em parto sem dor.

Mas o que sinto escrevo.Cumpro a sina.
Inauguro linhagens,fundo reinos
- dor não é amargura.

Minha tristeza não tem pedigree,
já a minha vontade de alegria,
sua raiz vai ao meu mil avô.
Vai ser coxo na vida é maldição pra homem.
mulher é desdobrável.Eu sou.

segunda-feira, 7 de março de 2011

Carnaval - Festa popular tradicional?

O que significa uma festa popular para um povo?Qual o sentido de toda uma tradição?Ou melhor no que consiste uma tradição,o que é chamado de culto pelos intelectuais ou o que é apreciado pela "massa"?
O carnaval no Brasil é um evento de grande extensão e proporção,enraizado na cultura do país.
É um grande atrativo ao turismo exterior e movimenta todo o povo,aquece muitas vertentes do comércio, isso é inegável.
Mas o quanto o poder público deve envolver-se nesse tipo de festejo popular?Efetuar investimentos,praticamente decretar feriados (em quase todo o país,principalmente na região nordeste).E o que foge ao comércio e turismo,como fica economicamente um país parado por uma semana todo ano,além de em todos os outros feriados?
É um movimento as raízes do encontro das raças que compõem nosso país,do ir contra a todos os tipos de preconceitos de raça,opção sexual,ou seja lá qual houver?Se sim,é totalmente válido ao sócio-cultural de nossa nação.
Mas se for um movimento à paixão por uma comemoração festiva puramente musical,de libertinagem sexual,entorpecente e alcoólica,por puro prazer e divertimento,sem sentido simbólico contextual,somente para engrossar os saldos bancários das indústrias de bebidas,então,foge a uma festa de sentido tradicional e popular verdadeiro.
Sendo que o tradicional e cultural é importantissimo à uma nação,para resgatar suas raízes,suas origens e preservar sua história.
Portanto,será que o nosso carnaval da atualidade se propõe a tanto?

sexta-feira, 4 de março de 2011

Cordel: Big Brother Brasil – Um programa Imbecil!

Autor: Antonio Barreto, natural de Santa Bárbara-BA, residente em Salvador.
Além de cordelista, é poeta e professor.
Graduado em Letras e Pós-graduado em Psicopedagogia e Literatura Brasileira.

Curtir o Pedro Bial
E sentir tanta alegria
É sinal de que você
O mau-gosto aprecia
Dá valor ao que é banal
É preguiçoso mental
E adora baixaria.

Há muito tempo não vejo
Um programa tão ‘fuleiro’
Produzido pela Globo
Visando Ibope e dinheiro
Que além de alienar
Vai por certo atrofiar
A mente do brasileiro.

Me refiro ao brasileiro
Que está em formação
E precisa evoluir
Através da Educação
Mas se torna um refém
Iletrado, ‘zé-ninguém’
Um escravo da ilusão.

Em frente à televisão
Lá está toda a família
Longe da realidade
Onde a bobagem fervilha
Não sabendo essa gente
Desprovida e inocente
Desta enorme ‘armadilha’..

Cuidado, Pedro Bial
Chega de esculhambação
Respeite o trabalhador
Dessa sofrida Nação
Deixe de chamar de heróis
Essas girls e esses boys
Que têm cara de bundão.

O seu pai e a sua mãe,
Querido Pedro Bial,
São verdadeiros heróis
E merecem nosso aval
Pois tiveram que lutar
Pra manter e te educar
Com esforço especial.

Muitos já se sentem mal
Com seu discurso vazio.
Pessoas inteligentes
Se enchem de calafrio
Porque quando você fala
A sua palavra é bala
A ferir o nosso brio.

Um país como Brasil
Carente de educação
Precisa de gente grande
Para dar boa lição
Mas você na rede Globo
Faz esse papel de bobo
Enganando a Nação.

Respeite, Pedro Bial
Nosso povo brasileiro
Que acorda de madrugada
E trabalha o dia inteiro
Da muito duro, anda rouco
Paga impostos, ganha pouco:
Povo HERÓI, povo guerreiro.

Enquanto a sociedade
Neste momento atual
Se preocupa com a crise
Econômica e social
Você precisa entender
Que queremos aprender
Algo sério – não banal.

Esse programa da Globo
Vem nos mostrar sem engano
Que tudo que ali ocorre
Parece um zoológico humano
Onde impera a esperteza
A malandragem, a baixeza:
Um cenário sub-humano.

A moral e a inteligência
Não são mais valorizadas.
Os “heróis” protagonizam
Um mundo de palhaçadas
Sem critério e sem ética
Em que vaidade e estética
São muito mais que louvadas.

Não se vê força poética
Nem projeto educativo.
Um mar de vulgaridade
Já tornou-se imperativo.
O que se vê realmente
É um programa deprimente
Sem nenhum objetivo.

Talvez haja objetivo
“professor”, Pedro Bial
O que vocês tão querendo
É injetar o banal
Deseducando o Brasil
Nesse Big Brother vil
De lavagem cerebral.

Isso é um desserviço
Mal exemplo à juventude
Que precisa de esperança
Educação e atitude
Porém a mediocridade
Unida à banalidade
Faz com que ninguém estude..

É grande o constrangimento
De pessoas confinadas
Num espaço luxuoso
Curtindo todas baladas:
Corpos “belos” na piscina
A gastar adrenalina:
Nesse mar de palhaçadas.

Se a intenção da Globo
É de nos “emburrecer”
Deixando o povo demente
Refém do seu poder:
Pois saiba que a exceção
(Amantes da educação)
Vai contestar a valer.

A você, Pedro Bial
Um mercador da ilusão
Junto a poderosa Globo
Que conduz nossa Nação
Eu lhe peço esse favor:
Reflita no seu labor
E escute seu coração.

E vocês caros irmãos
Que estão nessa cegueira
Não façam mais ligações
Apoiando essa besteira.
Não deem sua grana à Globo
Isso é papel de bobo:
Fujam dessa baboseira.

E quando chegar ao fim
Desse Big Brother vil
Que em nada contribui
Para o povo varonil
Ninguém vai sentir saudade:
Quem lucra é a sociedade
Do nosso querido Brasil.

E saiba, caro leitor
Que nós somos os culpados
Porque sai do nosso bolso
Esses milhões desejados
Que são ligações diárias
Bastante desnecessárias
Pra esses desocupados.

A loja do BBB
Vendendo só porcaria
Enganando muita gente
Que logo se contagia
Com tanta futilidade
Um mar de vulgaridade
Que nunca terá valia.

Chega de vulgaridade
E apelo sexual.
Não somos só futebol,
baixaria e carnaval.
Queremos Educação
E também evolução
No mundo espiritual.

Cadê a cidadania
Dos nossos educadores
Dos alunos, dos políticos
Poetas, trabalhadores?
Seremos sempre enganados
e vamos ficar calados
diante de enganadores?

Barreto termina assim
Alertando ao Bial:
Reveja logo esse equívoco
Reaja à força do mal…
Eleve o seu coração
Tomando uma decisão
Ou então: siga, boçal…

FIM

Salvador, 16 de janeiro de 2010.