terça-feira, 11 de janeiro de 2011

Profissão: Professor de fé



Todos os dias me pergunto como cheguei a profissão em que atuo hoje, e se estou no caminho certo.Constato que diversas situações e fatores me levaram a prática docente, e concluo que eu nada escolhi,mas que na verdade,fui escolhida.
Desde pequena,me fascino pelo aprender e pelo ensinar, sempre acreditei que cada coisa nova apreendida e que cada saber ensinado,atuam na contrução dessa grande teia de conhecimento que é a vida.
Não digo que sonhava em ser uma educadora,nunca me considerei uma pessoa dinâmica e comunicativa,mas sempre procurei oportunidades de compartilhar meus conhecimentos,porque acredito que nenhum saber individual tem valor se não puder ser um saber coletivo.
Como pessoa crítica da sociedade,encontrei na escrita,nas conversações e nos debates,situações propicias à procura de mudanças; e no âmbito da sala de aula,até então como aluna,principalmente em minha graduação,encontrei o local ideial para expor minhas idéias.
Até o fim da graduação,trabalhei em empresas,sempre em área administrativa;mas nunca sentia-me feliz,não me via completa fazendo aquilo durante toda a minha vida profissional,na verdade não encontrava sentido em todas as minhas obrigações, a não ser o financeiro.
Por outro lado,nos estudos,meus sonhos socialistas afloravam cada vez mais;tanto que ao término da graduação,me propus a lecionar a adolescentes carentes,assistidos por um projeto social da igreja católica de Jundiaí. Lecionei nesse projeto durante 1 ano,sem remuneração alguma, e justamente num período em que fiquei desempregada.Fiz o que chamam de "das tripas,coração" para me manter nesse projeto,pois eram momentos muito maiores do que o processo de ensino em si;aqueles jovenzinhos,muitos com ares ainda infantis,precisavam crer que tinham oportunidades na vida,de que seriam capazes diante de sua realidade,muitas das vezes dificil no âmbito familiar.
Nessa dificil experiência,mas que ensinou-me muito,vivenciei o processo educacional muito além do ensinar algum ofício ou teorias,vivenciei o ser professor num sentido de professar a minha fé no homem como ser social transformador, que o exerce a cada dia a partir de novas experiências,aprendendo a reconhecê-las;é aí que o educador entra,na condição de conscientizador acerca do mundo,independente do que ele lecione.
O que peço toda noite a Deus,antes de dormir,é que Ele não me deixe desacreditar no poder de transformação das palavras, e que a cada dia,Ele me dê o dom de aprender e de ensinar.